29
Abril de 2017
Sábado
COPA 2014: ANÁLISE DO BIO-RITMO APONTA PARA BAIXO DESEMPENHO DA SELEÇÃO "Se o técnico Luiz Felipe Scolari ...
DILMA TERÁ ENORMES DIFICULDADES JÁ DESDE O COMEÇO DO SEU GOVERNO As previsões esotéricas para 2011 ...
JÚPITER, REGENTE DO ANO, TRAZ EXPANSÃO E PROSPERIDADE Número 7 e o arcano “O Carro” também inspiram ...
A política é uma doença. Os políticos são seus agentes transmissores. O infectado é o ...
SATURNO REGE UM ANO QUE VAI EXIGIR ORGANIZAÇÃO E DISCIPLINA Sob a regência de Saturno na Astrologia, ...
Pronto, Lulla já está com seu nome gravado para toda posteridade: “NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS” tivemos  ...
(Especial para o "Correio Braziliense" e para a TV Globo - DF) “Sob a regência ...
Como em qualquer índice per capita que comparemos o Brasil com os demais países, também ...
DEMOCRATIZAR INTERNET NO BRASIL SÓ VAI AUMENTAR A INFESTAÇÃO Pois bem, veio o Lula e depois de ...
  Felipe Porto Apenas acrescentando uma ou mais letras entre H, Q ou Z no nome das ...

Arquivo de ‘Manchete 3’ Categoria

BRASILEIROS, AS BARATAS DA INTERNET

Postado por admin On julho - 23 - 2011 Adicionar Comentários

Como em qualquer índice per capita que comparemos o Brasil com os demais países, também na internet estamos na liderança de “tudo que não presta” e muito longe das estatísticas do que se poderia enquadrar como “o que de bom existe disponível on-line”. Não é novidade que para pesquisar qualquer assunto “sério” é melhor procurar diretamente em língua inglesa ou espanhola do que perder tempo tentando achar versão na portuguesa. Esta, quando existe, é resumida, superficial e imprecisa.

E assim mesmo, quando achada em “nossa língua”, quase sempre está em “lusitano”, pois apesar de nossa “pátria-mãe” ter atualmente cerca de UM VIGÉSIMO de nossa população, fica claro que é muito mais provável que um “gajo” esteja utilizando a internet para pesquisar ou escrever a respeito de alguma coisa decente do que um milhão de brasileiros juntos. Prova disso é que eles têm dois Prêmios Nobel e nós nunca tivemos nenhum, o que dá uma capacidade intelectual per capita de pelos menos uns VINTE brasileiros (juntos!) para tentar comparar com apenas UM português. E depois ainda dizemos por aqui que eles é que são “burros”…

Recentemente, ao ler uma citação a respeito de Biafra, resolvi conhecer mais a respeito do assunto. Se algum brasileiro minimamente inteligente leu este texto até aqui – o que é pouco provável estatisticamente –, sabe que estou falando da Guerra de Biafra e não daquele cantorzinho de meia-tigela que cometeu algumas musiquetas décadas atrás. Ao começar minha pesquisa no Google e digitar “Biafra” (repita o teste e comprove), as sugestões automáticas apresentadas mostram associações desse nome com “sonho de ícaro”, “letras”, “cantor”, “te amo”, “seu nome”, “cifras”, “discografia”, “download”, “ouvir” e COISA NENHUMA sobre uma das maiores tragédias da Humanidade, que custou a vida de mais de 1 milhão de vidas, a grande maioria morta pela fome, com cenas que ficaram eternizadas na história pela barbárie.

Isso mostra perfeitamente o interesse massivo do brasileiro por besteiras, nulidades, porcarias, enfim, temas estúpidos e desimportantes em geral, em detrimento de coisas que realmente deveriam ser do conhecimento de uma pessoa minimamente informada, educada, culta, instruída, enfim, com algum resquício de inteligência no “cérebro” que acredita carregar em cima do pescoço. Encontrei material mais detalhado a respeito na internet em várias línguas e praticamente nada em “português do Brasil” (apenas dois parágrafos!), sendo que na Wikipédia o material existente está escrito em indisfarçável “português de Portugal” (confira em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Biafra).

Quem sabe um “brasidiota” leia esta matéria (coisa improvável, já que o normal seria estar num bate-papo-furado na internet, num site de relacionamento fútil, lendo sobre futebol ou vendo pornografia) e pergunte algo tipo “o que é que o Brasil tem a ver com essa desgraceira que foi a Guerra de Biafra”? A resposta é MUITA COISA A VER, pois foi um conflito sangrento que envolveu as principais etnias ancestrais dos negros brasileiros trazidos como escravos da Nigéria (haussas, fulanis, iorubás e igbos), provando que também nossos afro-descendentes estão “se lixando” para a “mãe África”, bem adaptados a um ambiente nacional onde a mediocridade é generalizada e só se dá importância a temas absolutamente inúteis.

CAMPEÕES MUNDIAIS DE BESTEIRADA

Isso posto, vamos aos números. O Brasil possui a quinta maior população do planeta e o quinto maior volume de pessoas com acesso à internet. Conforme consta em estudo recente disponível em http://www.ndig.com.br/item/955, temos a seguinte proporção mundial: China (1º em população mundial, 1º em número de internautas); Índia (2º e 4º), Estados Unidos (3º e 2º), Indonésia (4º e 15º), Brasil (5º e 5º), Nigéria (8º e 10º), Rússia (9º e 7º) e Japão (10º e 3º). Ou seja, também no que diz respeito à internet, o Brasil mais uma vez se reafirma como um “país de quinta”, como o é em população e em extensão territorial, mesma posição que o governo local mente alegando já ocupar entre as economias mundiais (mas na verdade ainda seria ainda apenas o oitavo).

Só que esse fato, longe de ser a “justa colocação do país perante o mundo, pela sua população e território”, na verdade esconde outras vergonhas, se compararmos a PRODUTIVIDADE de povos como o do Japão (PIB de U$ 4,3 trilhões para 127 milhões de habitantes, renda per capita anual de U$ 34 mil, num território minúsculo e pobre de recursos naturais) contra nosso país (PIB de U$ 2,1 trilhões para 195 milhões de habitantes, renda de U$ 11,4 mil anuais, num território imenso e riquíssimo).

Certamente o fato de os nipônicos terem praticamente ZERO de analfabetos e umas das mais altas taxas de pessoas com formação universitária no mundo e o Brasil ter mais de 10 por cento de iletrados e 78 por cento de semi-analfabetos (conforme os padrões mundiais que enquadram nesta condição aqueles incapazes de “interpretar um enunciado simples”), seja a explicação para essa diferença. Mas disso trataremos numa matéria à parte, em breve, aqui serve para ajudar a entender do que tratamos nesta matéria. Voltemos ao assunto central que é a internet…

Sendo a quinta maior população que acessa a internet, pesquisas demonstram que desde 2005 já somos o povo que mais horas fica plugado na rede mundial. Veja o que diz pesquisa disponível em http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/brasileiros-sao-os-maiores-usuarios-da-internet-do-mundo-m0061315 e outros tantos endereços resultantes de uma pesquisa no Google a respeito. Os mais recentes levantamentos indicam que o internauta brasileiro médio gasta pelo menos 5 horas diárias na internet (um quinto de sua vida!).

Isso seria algo motivo de orgulho, caso não se tratasse de brasileiros, onde ao contrário das chamadas “nações desenvolvidas” (o que equivale ao mesmo que dizer habitadas por pessoas “letradas”, “cultas”, “educadas”, “trabalhadoras”, “sérias”, “responsáveis”, enfim), é fato comprovado que por estas bandas o que mais se acessa pela rede mundial é do tipo que se pode enquadrar como besteiras, baboseiras, porcarias, inutilidades, pirataria, pornografia, enfim, “tudo aquilo que não presta” na internet.

EXPERIÊNCIA PRÓPRIA E “IN-LOCO”

Digo isso tudo não apenas com a intenção de falar mal dos brasileiros, pura e simplesmente, como me acusam alguns leitores “brasidiotas”, que, aliás, são em flagrante minoria (o que é sintomático num país onde pouca gente usa seu tempo para ver coisas úteis na internet), tanto é que a maioria dos comentários em minhas matérias são em inglês, espanhol, russo, grego etc.. Quase sempre o “brasidiota” que cai de pára-quedas neste blog só manifesta é sua revolta com as verdades que lê por aqui (e não entende direito a motivação, por absoluta deficiência intelectual).

Como empresário de internet, chegando a possuir até recentemente, uma rede que teve cinco lojas no setor, entre LAN-houses e cibercafés, muitas vezes dando pessoalmente manutenção dos programas em computadores de uso coletivo, especialmente atacados por vírus e spywares, a quantidade de rastros de ilegalidades, obscenidades, futilidades e outras idiotices encontradas diariamente daria para criar a maior biblioteca do mundo, capaz de deixar a que teve Alexandria no chinelo. Mas esta, brasileira, abarrotada até o teto daquilo que “não presta”, é claro.

Acompanhando por anos o funcionamento desses estabelecimentos, fica evidente que a grande maioria se liga majoritariamente em assuntos absolutamente inúteis, imorais ou ilegais. Tipo Orkut, Facebook, batendo papo-furado no MSN, vendo filminhos absolutamente desprezíveis no Youtube, escrevendo banalidades no Twitter ou coisa que o valha (ou valha coisa nenhuma, como é o caso). Assunto sério mesmo, como trabalho, estudo ou cultura é a minoria e assim mesmo por um tempo bastante reduzido. Noticiários, quando muito, apenas sobre futebol, Big-Brother, cantores, fofocas de celebridades, assuntos escabrosos, entre outras besteiras desse baixo nível intelectual.

Isso fica comprovado também nas pesquisas. Segundo a Consultoria Nielsen, 86% dos brasileiros, além de ficarem mais de 5 horas diárias na internet, são os que mais desperdiçam seu precioso tempo nas redes sociais, conforme resultado de pesquisa disponível em http://idgnow.uol.com.br/internet/2010/06/15/internauta-brasileiro-lidera-uso-de-rede-social-em-todo-o-mundo/ . Lembro-me quando o Orkut explodiu no Brasil, por volta de 2004. Foi uma verdadeira invasão (ou melhor, infestação!) de brasileiros, a ponto do Google, dono da marca, ter limitado o acesso a brasileiros, já que todos deveriam antes criar uma conta no Gmail, para ter acesso a um “sonhado” perfil.

Pelo rastreamento de IP do Brasil, o Google tentava inutilmente impedir que essa rede social também fosse BICHADA POR BRASILEIROS. Muitos espertalhões ganharam dinheiro criando contas do Gmail emulando IP da China, Japão, entre outros países (“sérios”, ou seja, habitados por gente educada, honesta, trabalhadora, enfim) e as revendiam aos interessados. Ou seja, criando outro tipo de comércio ilegal (bem a gosto de brasileiro!) para burlar os filtros do Google, a ponto de o Orkut acabar sendo TOTALMENTE INFESTADO por essa verdadeira “praga” de brasileiros (tal como baratas, pois assim somos vistos e combatidos pelos maiores players da internet mundial), que tomou conta do Orkut, virando os maiores usuários desde então.

Se o brasileiro apenas usasse de graça e não consumisse nada, sem maiores problemas, até que não seria o mais grave. Acontece que o Orkut tem causado constantes prejuízos ao Google no Brasil, através de denúncias e processos envolvendo materiais proibidos, ilegais ou criminosos divulgados pelos usuários locais. Quando houve boatos de que o Orkut seria tirado do ar, veja o que disse em entrevista à Folha de São Paulo (08/10/2008) o Dr. Eric Schmidt, Presidente do Conselho Executivo e Diretor Executivo da Google: “Estamos cansados de ter que trocar toda hora o servidor ou aumentar o espaço. Não estamos conseguindo dar conta de tanto lixo em um lugar só”. Esse LIXO quer dizer, em outras palavras, os conteúdos “defecados” pelos usuários “brasidiotas”!

 

BRASILEIRO, O “USUÁRIO-CAROÇO”

É fato notório entre empresas e empreendedores da internet, tanto locais como internacionais, que o perfil majoritário do brasileiro na internet é do tipo que invade tudo, toma conta do que puder, pega tudo que é de graça e não consome coisa nenhuma. Como não existe “almoço de graça” e as empresas precisam pagar suas contas via publicidades ou comércio eletrônico, o brasileiro é talvez o internauta menos desejado na rede mundial. Isso para não dizer o mais rejeitado e dispensável de todos.

Isso se nota também com relação aos programas para computadores, os quais dificilmente apresentam versões em “português do Brasil” (quando tem versão em “nossa língua”, normalmente estão em indisfarçável “português de Portugal”). A prova é que se encontram programas com versões ou manuais em línguas faladas por populações muito menores que a nossa (tipo grego, malaio, vietnamita, indonésio etc.), pelo fato de os produtores venderem as licenças de uso ou diretamente ou através do sistema de shareware (versões gratuitas e demonstrativas, que o interessado paga para ter acesso à versão completa). O “brasileiro-muito-esperto” normalmente baixa a versão demo e já sai logo atrás de um crack para liberar a versão full, para trapacear o criador do programa.

Conforme ditam as próprias “leis de mercado”, povo que não compra nada ou muito pouco e adora versões “piratas”, acaba ficando com versões “nacionalizadas” para os últimos casos, ou normalmente para o “dia de são nunca”, como ocorre com relação aos brasileiros. O internauta “brazuca”, como de praxe, quer levar vantagem em tudo, tirar o máximo proveito e não pagar nada. Sendo o povo que mais usa o computador (para acessar coisa que não presta) no mundo, se fosse apenas buscando alguma ferramenta para trabalhar ou aumentar a produtividade até que não seria tão grave, mas esse comportamento é mais intenso com relação a jogos de computador (como de resto ocorre com músicas, filmes e outros materiais “protegidos” por direitos autorais).

Quem gosta de jogos via internet (e isso é outra “praga” onde estamos liderando também) sabe de sobra que essa é “nossa realidade diante do mundo virtual”, infelizmente. As empresas que comercializam créditos para incrementar personagens de games on-line (e vendas de licenças off-line também) sabem que os brasileiros entopem os servidores usando apenas as fases que são gratuitas e na hora de pagar, estamos também na liderança (vergonhosa!) daqueles que NÃO RENDEM COISA NENHUMA. Ou quase nada, se comparados a qualquer outro país decente.

Tanto é que os IPs do Brasil também são restringidos pelas mais diversas companhias do ramo. Por isso é comum por estas bandas o uso de programas “emuladores de IP” para “fazer de conta” que somos usuários “normais” e não do tipo “cucaracha” que infesta a rede mundial. Fora o uso de cópias piratas e as tentativas de burla dos sistemas, trapaças, fraudes, ataques de hackers, entre outras tentativas de acesso ilegal, aspecto que só ele merece uma matéria inteira, afinal somos também campeões mundiais em crimes virtuais. Junto com acesso a pornografia, pedofilia, pirataria de músicas, filmes e programas de computador, onde somos recordistas (disparados!) “daquilo que não presta” na internet mundial…

“VINDE TUDO A MIM, AO VOSSO REINO, NADA”

Como proprietário do PortalDF desde 1998 (www.portaldf.com.br, tendo sido também provedor de internet até meados de 2004), também constatei que essa é a triste realidade do internauta padrão brasileiro. Tendo disponibilizado consultas esotéricas on-line gratuitamente, com banners nos rodapés “vendendo” (ou pelo menos tentando) estudos personalizados, CDs e livros de minha autoria, durante vários anos o retorno financeiro foi praticamente zero, ou seja, mal pagando os custos de manutenção.

O serviço grátis chegou a registrar 840 mil usuários num único dia e por mais que se ampliasse a estrutura, a demanda era insuportável. Quando resolvemos alterar o sistema “à volonté” (“à lá vonté” existe apenas em festa junina!), ainda mantendo gratuito, mas vinculando à necessidade de que fosse efetuado um cadastro básico (nome, e-mail etc., com autenticidade de dados vinculada ao retorno de uma mensagem com senha de acesso), os usuários brasileiros despencaram de milhões para apenas algumas dezenas por mês. Quanto aos estrangeiros, cerca de 10 por cento do total, continuaram praticamente na mesma média anterior.

Isso comprova mais uma vez que o brasileiro médio, muito malandro e espertalhão, não quer apenas tirar tudo que pode de graça de um site, mas também se nega a dar qualquer retorno que seja, por mais insignificante que for, como deixar um cadastro elementar em troca de um serviço gratuito. “Se não der para tirar proveito, levar vantagem, dar despesa sem dar nada em troca, causando prejuízo, então não tem graça”, é uma frase que bem sintetiza o que passa pela cabeça da grande maioria dos internautas “cucarachas” brasileiros, pelo que nossa longa experiência pessoal no setor também deixou comprovado, não bastasse a realidade que todas as pesquisas internacionais não se cansam de demonstrar. Em outras palavras, a maioria dos brasileiros segue as escrituras sagradas de modo inverso: “vinde tudo a mim e ao vosso reino, nada”… Ou p. nenhuma, melhor dizendo.

O outro lado dessa mesma constatação é que quando passamos a cobrar um valor simbólico pela consulta esotérica on-line (apenas R$ 1,00 cada), dos milhares de pessoas que se cadastraram, sendo apenas cerca de 10 por cento de outros países (Alemanha, Estados Unidos, França, Inglaterra, Japão etc., com toda a barreira do idioma), o número dos usuários PAGANTES estrangeiros era praticamente CINCO VEZES MAIS DO QUE DE BRASILEIROS! E outras palavras, isso significa que 10 por cento de estrangeiros dão mais retorno do que 90 por cento de brasileiros. Aliás, ao passar a cobrar pelos serviços, recebemos diversas mensagens de “brasidiotas” revoltados por isso, exigindo que as consultas continuassem gratuitas…

CAMPEÕES MUNDIAIS DE “BESTEIRA ON-LINE

Quanto ao conteúdo produzido pelos “brasidiotas” na internet, se houvesse uma pesquisa ou um sistema de avaliação, certamente ficaria no nível mais baixo, da lixeira para o esgoto, pois é inacreditável a quantidade de besteiras que se encontra na internet brasileira, produzida diariamente e em escala industrial. Como espaço livre que é o próprio conceito da internet, infelizmente qualquer boçal, mentecapto, débil mental, semi-analfabeto etc. consegue abrir uma página, criar um perfil numa rede social ou publicar um blog num site de hospedagem gratuito e dar asas às suas idiotices. E tentar compartilhá-las com “o resto do mundo”!

Fora os erros de português, cuja constância certamente não encontra semelhança em qualquer outro idioma no mundo virtual. Nem precisaria disso, com tantas placas contendo erros de ortografia grosseiros que se vê pelas ruas comumente, mas o fato é que por aqui se utiliza de uma suposta “grafia de internet” (com muitas abreviaturas), que não passa de DISFARCE para a verdade que é a incapacidade de se expressar corretamente na Língua Pátria por parte da maioria dos usuários (ou burruários?) “brasidiotas”. Isso além de ser uma forma de tentar se comunicar de maneira absolutamente imbecil!

Apenas publicar asneiras é uma coisa, mas o pior é constatar que EXISTE UM ENORME PÚBLICO para consumir tanta porcaria, afinal em qual país do mundo tem tanta gente junta deficiente de formação educacional, cultural, intelectual e por isso tem essa opção preferencial por banalidades, besteiradas, boçalidades, enfim, milhões de vagabundos com tanto tempo à toa para jogar fora, horas e horas por dia na internet? E quando não está em casa e sim em pleno horário de trabalho, quem paga esse custo absurdo para a produtividade nacional? Resposta: o bolso dos otários dos patrões ou dos demais cidadãos que com seus impostos sustentam a outra categoria de parasitas que se dizem “servidores” públicos (piada!)

É fácil entender porque o brasileiro é hoje o povo que mais tempo fica na internet, pois o acesso à rede mundial por parte dos funcionários, dentro de seu horário de expediente, tanto nas empresas como principalmente DENTRO DOS ÓRGÃOS PÚBLICOS, acabou virando um VERDADEIRO FLAGELO em termos de horas-trabalho desperdiçadas. É mais provável o “servidor” público não poder lhe atender ou o serviço demorar, atrasar ou nunca sair, apenas porque esta outra modalidade de vagabundo  fica o tempo todo de bate-papo-furado no MSN ou “se atualizando” no Orkut, Facebook, Twitter, Youtube ou outra besteira do gênero…

Se um dia passar a ser requerido um teste de conhecimentos gerais, ou pelo menos básicos, ou talvez um teste de QI, com certeza a quantidade de brasileiros publicando besteiras na internet vai cair a níveis de QUASE ZERO. Já imaginaram uma internet onde pessoas com QI abaixo de dois dígitos seriam automaticamente banidas? Seria uma maravilha! (em tempo, antes que façam chacota: meu QI comprovado é de 162, testes psicológicos à disposição para quem interessar).

Seria uma forma fantástica de promover uma verdadeira LIMPEZA na internet brasileira, eliminando uma quantidade incalculável, de proporções astronômicas, de tantas idiotices on-line. Com o risco, aliás, de praticamente acabar com a presença brasileira na internet, reduzindo-a drasticamente. Enquanto essa utopia não é viável, proponho aos provedores que acabem com todas as modalidades de contas, assinaturas, e-mails, perfis, sites e blogs GRATUITOS e passem a cobrar um valor justo por eles, pois PAGAR é o mesmo que “DETEFON” ou “BOMBA DE FLIT” para combater essa infestação de milhões e milhões de “baratas” que bicham a internet, onerando os custos, dando prejuízo, publicando montanhas de idiotices e não dando qualquer retorno financeiro. Tipo essa praga de “cucarachas” brasileiros…

—————————————

Não deixe de ler as matérias relacionadas (pela ordem, para melhor entendimento desta):

PNBL, O DESASTRE FINAL:

http://www.tribunabraziliana.com.br/?p=346

TV CÂMARA ENTREVISTA FELIPE PORTO:

http://www.tribunabraziliana.com.br/?p=335

HORAS PERDIDAS COM INTERNET, UM DESASTRE NACIONAL:

http://www.tribunabraziliana.com.br/?p=342

Bookmark and Share

NUMERÓLOGO DIZ QUE MUDA O BRASIL EM UMA GERAÇÃO

Postado por admin On julho - 29 - 2010 Adicionar Comentários

 

Felipe Porto

Apenas acrescentando uma ou mais letras entre H, Q ou Z no nome das pessoas, a partir da maior quantidade possível de crianças nascidas, além de oficializar o Z no nome do Brasil, numerólogo diz ser possível espantar o fantasma do “carma” da instabilidade financeira cíclica e histórica, a miséria e a pobreza do País.

A Numerologia analisa as qualidades das pessoas através das letras contidas no nome de nascimento. Do resultado geral, chega-se ao Número Pessoal, que revela a personalidade, profissões ideais, tendências positivas e negativas, destino e outros aspectos. Já pela AUSÊNCIA DE LETRAS pode-se conhecer as chamadas Lições Cármicas, que seriam indícios de resgates de vidas passadas. Representam as dificuldades, provações e aprendizados que teríamos que enfrentar na vida atual, partindo do pressuposto que estes problemas decorrem dos erros cometidos em encarnações pregressas.

Cada povo, de cada país, conforme suas raízes ancestrais e língua (leia-se letras a mais ou menos utilizadas nos nomes), possui características predominantes nas Lições Cármicas. No Brasil, é marcante a falta das letras H, Q e Z no nome das pessoas, sendo que todas valem 8 conforme a Numerologia Pitagórica (aliás, além de físico, matemático, astrônomo, etc., Pitágoras era um místico, astrólogo e numerólogo, tendo criado a religião denominada Pitagorismo). O 8 está associado ao poder e riqueza. Carente na maioria da população, conclui-se que nosso País seria uma espécie de “depósito de reencarnações de pessoas que em vidas anteriores tiveram muito poder e dinheiro, mas usufruíram disso de forma errada, ou gastando excessivamente, alimentando vaidades, egoísmo, avareza, entre outros defeitos de caráter manifestados no lidar com o dinheiro“.

Como exemplo prático, verificamos que países como o Japão, Estados Unidos e principalmente os de língua árabe, onde as letras H, Q e Z são muito comuns na escrita e nos nomes, suas populações são reconhecidamente obstinadas no trabalho, dedicação aos objetivos, conquistando com facilidade a estabilidade material e não raro a riqueza. Basta dizer que qualquer estrangeiro de origem oriental ou árabe, chegando ao Brasil ‘com uma mão na frente outra atrás’, em poucos anos constrói patrimônio. Não conheço um descendente de estrangeiro que viva na favela. Veja as listas de aprovados em vestibulares e confira, para resumir“, prossegue.

Ao longo de 30 anos de pesquisas e práticas ligadas à Numerologia, Astrologia, Tarot e outras especialidades ligadas à Magia e Esoterismo, o jornalista, escritor e terapeuta Felipe Porto pode verificar, em mais de – estima – 600 mil análises computadorizadas efetuadas em Shoppings e eventos por todo Brasil, que cerca de 80 a 90 por cento das pessoas de origem “brasileira” não possuem as letras H, Q ou Z no nome. Por isso seríamos uma nação de pessoas “carentes materialmente, sempre buscando e quase nunca alcançando a estabilidade material, com tanta pobreza, constantes planos governamentais para complicar a vida financeira e até mesmo explica nossos recordes mundiais de cheques-sem-fundos e calotes, e, a reboque, a criminalidade, entre outras tantas mazelas nacionais“, explica o numerólogo.

Dessa experiência direta pesquisando o que considera “um perfil muito representativo da sociedade brasileira“, criou num de seus diversos programas de computador a chamada Lição Cármica Número 8, que é impressa ou enviada via e-mail para aquelas pessoas cujo nome não possuem as letras H, Q ou Z. Eis o que diz a resposta, quando as letras H, Q ou Z não são encontradas no nome do consulente:

LIÇÃO CÁRMICA NÚMERO 8 ( AUSÊNCIA DAS LETRAS H-Q-Z )

PASSADO – Em vida anterior, Você fez mau uso do poder e do dinheiro. Viveu com muito luxo e riqueza, além de influência sobre as pessoas, mas usufruiu disso tudo com imprudência, gastando excessivamente ou com extrema avareza. Foi autoritário e insensível, usando sua riqueza para a ostentação, alimentando vaidades, opressão aos outros, avareza, entre outros erros cometidos no lidar com o dinheiro.

PRESENTE – Na vida atual, “status”, poder e saúde não serão facilmente obtidos. As responsabilidades de natureza material o dominarão. O tema “dinheiro” será de constante preocupação. Você deverá agora aprender a manter tudo o que o rodeia em perfeito equilíbrio e harmonia, em meio a freqüentes instabilidades. Terá que aprender a dominar suas vontades em vez de ser escravo delas. Tem tendências a desejar e adquirir coisas em excesso, muitas vezes inúteis ou que não dará o aproveitamento devido.

A vida lhe dará várias chances de ganhar dinheiro, mas esteja atento, pois serão testes à sua capacidade de evitar a vaidade, o orgulho e o egoísmo. Sem humildade e desprendimento, tem tudo para viver permanentemente em altos e baixos de dinheiro. Evite as dívidas, pois corre grande risco de ter sérios problemas financeiros. Este é o carma de ter que aprender a lidar e conhecer o verdadeiro sentido do dinheiro, pois na vida passada Você teve muito, mas usou-o de forma errada, com ostentação, orgulho e abuso de poder.

Como na vida passada se excedeu também com a força que o dinheiro proporciona, deve aprender nesta vida a dominar a aversão ao senso de autoridade, lei e justiça, enquadrando-se e buscando cumprir as regras e normas estabelecidas, caso contrário terá sempre a impressão de que o ‘sistema’ existe somente para lhe perseguir e prejudicar.

Cromoterapia : Opala ( Cor ) e Rosa
Nota Musical : Dó Maior”

Felipe Porto garante que a Numerologia tem o poder e a capacidade de mudar essa dificuldade existente na maioria da população brasileira, e em apenas uma geração, bastando que, de agora em diante, todas as crianças nascidas tenham no nome, pelo uma das letras H, Q ou Z, mais de uma delas ou até mesmo todas, se fosse possível. Para completar, até o nome do Brasil, que não tem essas letras que “trazem sorte com dinheiro“, deveria ser mudado, ou melhor, “caso o Brasil aceitasse o padrão mundial que é sermos denominados de Brazil, isso mesmo, com Z no nome, quebrando essa tradição maléfica e dando um ritmo mais acelerado e dinâmico a todo país“, acrescenta.

O numerólogo cita um detalhe intrigante, para reforçar suas idéias: “o último Presidente que tinha uma dessas letras no nome, Emílio Garrastazu Médici, ficou na história como o pai do chamado ‘Milagre Brasileiro’, em 1971, quando crescemos a uma taxa anual de 11,8 por cento do PIB, algo realmente fantástico a nível mundial. Depois dele, veio João Batista de Oliveira Figueiredo – junto com Antônio Delfim Netto para completar – que não tinha essas letras. Foi o começo da nossa ruína financeira e estouro da escalada inflacionária que tornou os anos 80 a conhecida Década Perdida“.

Com a chamada ‘redemocratização’ viria Tancredo Neves, que acabou deixando a vaga para José de Ribamar Sarney, depois Fernando Affonso Collor de Mello e Itamar Franco. Note que nenhum deles tinha as letras H, Q ou Z no nome. O Brasil só foi afundando economicamente, chegando aos patamares de incríveis 80 por cento de inflação num único mês, fora os fracassados e desastrosos Planos Cruzado, Collor 1 e 2, Bresser e outros pacotes que botaram nossa economia na lona“, prossegue.

Depois de tantos desastres financeiros que levaram milhões de empresários e cidadãos à bancarrota, tinha que vir um Presidente com as letras ‘abençoadas’ no nome para consertar o estrago, logicamente não sem o gosto amargo do remédio, domando a inflação e estabelecendo uma moeda estável, o Real. Fernando Henrique Cardoso, com H e Q no nome, para garantir, veio consertar a bagunça herdada de vários Presidentes, os quais igualmente à maioria da população, também com Carmas 8, ou seja, decorrentes da ausência das letras de mesmo valor. Mera coincidência?“, pergunta Felipe Porto.

Outro detalhe é que depois da “consertada” promovida por FHC na economia brasileira, depois de décadas de descalabro, veio o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se não tinha no nome os “H” e “Q” do antecessor, pelo menos tem um “Z” no nome, o que explica – a seu ver – porque conseguiu manter o compromisso de, pelo menos, não estragar o que foi feito antes dele.

Com as eleições 2010 se aproximando, embora não nutra qualquer simpatia por qualquer coisa ligado ao petismo-lulismo, Felipe Porto destaca que, se depender apenas de seu conhecimento e da esperança que o atual ciclo de progresso estabilidade econômica seja mantido nos próximos anos, tem de reconhecer que a candidata Dilma Vana Rousseff Linhares tem pelo menos um “H” no nome, embora não use o sobrenome “mais precioso”, enquanto José Serra (que pelo jeito é só José Serra mesmo) não tem nenhuma delas.

Para finalizar, o numerólogo dá outro exemplo: “não é por acaso que miséria não tem H, Q ou Z e riqueza tem duas dessas letras. Pitágoras, na antiga Grécia, ao estabelecer as bases da Numerologia, já tinha observado que não se trata apenas de mero detalhe“, conclui.

================================================

Serviço:
Felipe Porto, 50 anos, é jornalista ( www.tribunabraziliana.com.br ), escritor, terapeuta, ativista de Direitos Humanos, astrólogo, tarólogo e numerólogo, com mais de 30 anos de atuação. No momento não dá mais consultas pessoais, tendo criado diversos softwares esotéricos, disponibilizando suas análises via Internet ( www.portaldf.com.br/onze ) , inclusive com uma grande variedade de consultas “on line” ( www.portaldf.com.br ) , realizando os eventos Brasília Mística & TecnoMagia em Shoppings por todo Brasil. É autor do livro “Bio-Ritmo: Leve a Vida, não Seja Levado por Ela” ( www.biociclos.com.br ), em cujo sistema baseia suas conhecidas previsões da Seleção Brasileira nas Copas do Mundo desde 1990, sendo publicadas inúmeros jornais do país, além de dezenas de entrevistas a rádios e emissoras de TV ( boa parte disponíveis no Youtube). Seu Blog é  www.portaldf.com.br/felipeporto o e-mail é fporto@portaldf.com.br .

Bookmark and Share

Comentários Recentes

TRIBUNA BRAZILIANA Jornalismo com lucidez, realismo e independência CNPJ 06.090.494/0001-29 Fundador: Felipe Porto - Jornalista Profissional (Registros DRT-MS 029, DRT-DF 8.535, Diretor de Empresa Jornalística - DRT-MS 002) E-mail: tribunabraziliana@portaldf.com.br - Endereço: CRS 502, Bloco B, Loja 39-A - Asa Sul - Brasília / DF - CEP 70.330-520. Fones: (61) 3322-8060 e 3226-0003

Comentários Recentes

O “KARMA” DO BRASILEIRO…

Em jul-30-2010
Publicado por Felipe Porto

“NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS”

Em jul-27-2010
Publicado por admin

LUTO E VERGONHA NACIONAL: LISTA NOBEL 2010

Em out-9-2010
Publicado por admin

NUMERÓLOGO DIZ QUE MUDA O BRASIL EM UMA GERAÇÃO

Em jul-29-2010
Publicado por admin

COPA 2014 – BIO-RITMO DA SELEÇÃO BRASILEIRA

Em jun-11-2014
Publicado por admin